Gerenciamento de risco ajuda a minimizar perdas, preservar o capital e proteger o lucro.

A diversificação é, por si só, uma forma de gerenciar o risco em investimentos. Mas há outras maneiras de minimizá-los. O investimento em renda variável baseia-se nos 3 Ms, do inglês Mind (psicologia de mercado), Method (análise de mercado) e Money (gerenciamento de risco). Este último é o mais importante para o sucesso. Isso porque, o gerenciamento de risco engloba um conjunto de medidas importantes para minimizar perdas, preservar o capital e proteger o lucro. Enquanto os investidores iniciantes preocupam-se com os ganhos, os disciplinados e experientes preocupam-se em minimizar ou, até mesmo, evitar as perdas. Eles sabem que, sem capital, não há como continuar no jogo.

“Enquanto os investidores iniciantes preocupam-se com os ganhos, os investidores disciplinados e experientes preocupam-se em minimizar ou, até mesmo, evitar as perdas”.

As três dicas de Warren Buffet, um dos três homens mais ricos do mundo, para quem quer ter sucesso nos investimentos:

1. Proteja seu capital
2. Proteja seu capital
3. Leia as duas anteriores

Confira, agora, 10 formas eficientes para gerenciar esse risco:

  1. Não busque atalhos
    Os ingredientes para a independência financeira são: dinheiro, juro composto, tempo e aportes regulares. Para alcançar o sucesso financeiro, é preciso ter ainda um bom planejamento financeiro, reserva de segurança, blindagem patrimonial, além de construir e multiplicar o patrimônio. Não existem atalhos, tampouco mágica. O que existe é trabalho duro e dedicação.
  2. Evite prejuízos
    É muito comum que investidores iniciantes fiquem preocupados em lucrar. Com o tempo, eles entendem que o mais importante é minimizar e, até mesmo, evitar prejuízos. Isto porque cada prejuízo representa perda no patrimônio e correr mais risco na tentativa de recuperar a perda pode piorar a situação. Uma única mordida de piranha é incapaz de causar dano sério a qualquer presa. No entanto, um cardume de piranhas rapidamente a devora. Esta analogia diz respeito a perdas pequenas, mas que quando somadas, têm grande impacto no patrimônio. Para evitá-las, é preciso controlar o número de negociações, usar os benefícios fiscais e evitar girar muito a carteira de investimentos. O importante é investir bem, não investir sempre.
  3. Trace uma estratégia
    Sem uma estratégia bem definida, não dá para mensurar o retorno, tampouco os prejuízos. Ser fiel à estratégia não significa insistir em algo que não está dando certo, mas sim corrigir eventuais falhas. Uma vez corrigida a estratégia, seja fiel a ela. É muito importante também manter registros das operações. Anote a data do início e do fim da operação, o motivo da compra e da venda, o objetivo a ser alcançado, a curva de patrimônio, os aportes, e resgates e os resultados das análises. Uma estratégia sólida de investimentos passa por produtos de renda fixa, ações e fundos imobiliários. Atualmente existem plataformas automatizadas para estes registros, não mais sendo necessário ficar fazendo anotações nem cálculos.
  4. Aprenda com os resultados
    Operações mal sucedidas costumam gerar ansiedade, insegurança, medo e baixa autoestima. E isso pode gerar um círculo vicioso de perdas. Da mesma forma, operações bem sucedidas geram orgulho, excesso de segurança e sensação de invencibilidade. O desafio é assimilar todos estes sentimentos, absorver o aprendizado e começar do zero a operação seguinte. Ou seja, nem remoer um mal resultado, nem se vangloriar de uma ação bem sucedida.
  5. Invista por dinheiro
    Embora o investimento em ações seja emocionante e libere muita adrenalina, não se deve investir por diversão, mas sim por dinheiro. Alguns investidores ficam viciados e perdem dinheiro de forma compulsiva. Não seja um deles. Tenha em mente que o investimento em ações é uma forma de remunerar o capital. Divirta-se com a família e com os amigos, não com o mercado.
  6. Opere pequeno
    Ser um grande investidor não significa operar grandes volumes de ações, mas sim fazê-lo de forma consistente para que os ganhos sejam também consistentes. Pequenas perdas são mais facilmente toleráveis e assimiláveis do que as grandes perdas. Por isso, opere pequeno.
  7. Redistribua os investimentos
    De tempo em tempo, os ativos da carteira de investimentos devem ser realocados. Isto pode ser feito a cada ano, preferencialmente no mês de aniversário, de acordo com a regra dos 100 .
  8. Reinvista os ganhos
    Utilize os ganhos para comprar mais produtos de investimentos e, com isso, aumentar o tamanho da carteira e o patrimônio líquido. Ao montar uma carteira de ações, por exemplo, use os ganhos com a venda de opções e com os proventos para comprar mais ações e, assim, engordar continuamente a carteira.
  9. Nunca se case com um produto de investimento
    Uma vez adquirido, um produto de investimento deve ter seu desempenho acompanhado periodicamente. Lembre-se que a economia é dinâmica e, o fato de um dado produto ser bom hoje, não significa que ele continuará bom. Por isso, fique com um produto enquanto ele for lucrativo.
  10. Seja humilde
    Ter humildade nos investimentos e na vida significa reconhecer que não existe estratégia que só traga ganhos e entender que perdas ocorrerão em algumas situações. Significa, ainda, entender que dinheiro não é um fim, mas sim um meio para alcançar os objetivos.

Prejuízos levam à fuga de capital e podem comprometer a autoestima, gerando um círculo vicioso de perdas. Portanto, proteja sempre o seu capital para que possa continuar no jogo e ter sucesso no mundo dos investimentos.

Quer saber mais sobre como e onde investir seu dinheiro? Acompanhe o nosso blog: http://saudemaisacao.com.br/blog .