Blog
  • Blog
  • Como investir em títulos públicos por meio do tesouro direto? Descubra aqui!

Como investir em títulos públicos por meio do tesouro direto? Descubra aqui!

Como investir em títulos públicos por meio do tesouro direto? Descubra aqui!

Os títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional são uma possibilidade de investimento que nos últimos anos tiveram uma grande popularização. Isso acontece pelo fato de ser uma aplicação bastante acessível, podendo ser adquirida com menos de R$ 50,00.

Além disso, eles possuem rentabilidade bem atrativa, já que utiliza tanto a Selic quanto a inflação como índice e são bastante estáveis, diferentemente das ações, por exemplo. Não é a toa que com todas essas qualidades muitos ficam curiosos para saber como investir em títulos públicos.

Pensando nisso, nós separamos um guia completo de como você pode investir neles. Confira!

O que são os títulos públicos?

Títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Governo Federal através do Tesouro Nacional. O que acontece é que, quando um investidor compra um título, ele está emprestando dinheiro para o Governo e em troca, depois de um certo período, pode receber a quantia mais juros. Os títulos públicos são distribuídos pela plataforma Tesouro Direto que foi desenvolvida pelo Tesouro Nacional junto com a B3.

Como os títulos funcionam?

Os títulos disponíveis no Tesouro Direto têm a característica de serem menos voláteis com uma rentabilidade que não varia tanto se comparado com outras aplicações.

Entre os exemplares oferecidos encontram-se o Tesouro Selic, que utiliza a taxa básica de juros (Selic); o Tesouro prefixado que, além de também utilizar a taxa básica, o seu rendimento é definido antes da compra; e o Tesouro IPCA+, que usa a inflação para basear a sua rentabilidade.

É bom saber que, quando se compra um título, não se recebe um documento, a compra é confirmada por meio de um protocolo registrado no CPF do interessado.

Quais são as vantagens?

Segurança

São títulos que costumam ter rendimentos acima da inflação e, mesmo assim, fornecem bastante segurança para quem pensa em comprá-los, já que são garantidos pelo Tesouro Nacional Brasileiro e as chances de haver algum calote é muito rara.

Ótimo para longo prazo

Para aqueles que estão planejando sua aposentadoria ou querem investir em algum bem de grande valor, os títulos públicos são uma ótima opção, pois, além de bons rendimentos, a cobrança do imposto de renda é baixa para prazos de mais de dois anos.

Preços acessíveis

Graças à possibilidade de comprar partes de um título, não é necessário desembolsar uma quantia muito grande para investir nessa aplicação. Podendo adquirir partes por menos de R$ 50,00.

Seja um parceiro

Quais são os riscos?

Liquidez

Pode acontecer de não ser possível resgatar o dinheiro no período que se quer. Por exemplo, é possível comprar um título e não conseguir vendê-lo após um curto tempo, ou seja, ele pode não ter uma liquidez flexível. Porém, isso é muito raro, já que desde 2015, os títulos do Tesouro têm uma liquidez diária, sendo permitido o resgate antes do vencimento.

Mercado

É um risco que possui mais ligação com as possíveis oscilações dos preços dos ativos. Se for necessário vender o título antes da data do resgate, os juros podem variar muito. Sendo assim, o investidor estará exposto ao que o mercado estiver pagando naquele período pelo título e isso pode ser tanto um alto valor como um baixo.

Como investir?

Primeiro, é necessário ter uma conta-corrente em uma instituição financeira. Depois, é preciso escolher uma corretora ou um banco para administrar os seus títulos, elas serão os seus agentes de custódia.

Assim que escolher, a B3 enviará para você uma senha temporária para ter acesso à plataforma do Tesouro, é ali que as operações acontecem. Após comprar o seu título, você será informado de uma data limite para depositar o dinheiro e assim confirmar a aquisição.

Caso o tempo do resgate ou a data de cupom de juros já tenha cessado, aquilo que foi arrecadado pode ser acessado até as 13 horas do mesmo dia. Agora, se o investidor vendeu antecipadamente o título, o dinheiro fica disponível no dia seguinte. O CPF é o documento principal exigido na plataforma.

É possível investir de forma tradicional, em que as operações de compra e venda acontecem no horário de funcionamento do site (dias úteis, das 9h30 às 18h), ou programando, em que é agendada a compra dos títulos e pode-se cancelar ou alterar a atividade um dia antes da operação.

Como funciona o resgate?

No caso do Tesouro Selic, o resgate pode ser feito a qualquer momento, já que a diferença entre o preço de venda e de compra é bem pequena. Já no Prefixado, como o rendimento já está definido, o preço do título costuma mudar diariamente, dessa forma, ao resgatá-lo, o Tesouro Nacional paga o valor do período específico.

Para garantir uma boa rentabilidade do IPCA+, o ideal é que ele não seja resgatado antes do vencimento, pois também oferece uma taxa de retorno (revelada na hora da compra) que só pode ser recebida na data. Em todo o caso, ele pode ser resgatado antes do vencimento, porém, o valor tende a ser diferente do que foi contratado.

Quais são os cuidados necessários?

Custos

Os títulos oferecidos pelo Tesouro Direto possuem algumas taxas. A primeira é a taxa de custódia que costuma ser 0,3% e é recolhida pela B3 a cada ano e se refere a administração do ativo.

A segunda é a de serviço ou agente de custódia, cobrada pelas corretoras ou bancos, geralmente a cada 6 meses, sendo a primeira em janeiro e a segunda e julho ou quando há pagamento de juros, venda ou resgate do título.

Tributos

Outra cobrança está relacionada ao imposto, nesse caso, são dois: o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras) e o IR (Imposto de Renda). O primeiro é cobrado em caso de resgate de menos de um mês. O segundo incide sobre a rentabilidade do título em caso de vendas, resgate e ou quando se recebe cupons de juros semestrais.

É utilizada a tabela regressiva, que funciona assim:

  • 22,5% para investimentos de até 180 dias;
  • 20% para aplicações de 181 dias até 360 dias;
  • 17,5% para ativos com o prazo de 361 dias até 720 dias;
  • 15% para investimentos com prazo acima de 720 dias.

Bem, temos certeza que com todas as informações daqui ficou fácil entender como investir em títulos públicos, não é? Se você está interessado em entrar no mundo dos negócios e quer ter mais orientação sobre o assunto de forma especializada, entre em contato conosco e conheça os nossos serviços!

Deixe um comentário

Um conjunto de ferramentas para ajudá-lo a enriquecer com saúde

Feito por médicos para médicos