Blog
  • Blog
  • Planejamento Financeiro: O primeiro passo

Planejamento Financeiro: O primeiro passo

Planejamento Financeiro: O primeiro passo

Se você fica se perguntando o que é preciso fazer para conquistar a independência financeira, o primeiro passo a ser dado é realizar um planejamento financeiro para organizar o que entra e o que sai da sua conta.

Embora seja um tema negligenciado por boa parcela dos brasileiros, o planejamento financeiro pessoal é uma das ferramentas mais importantes para quem busca alcançar objetivos e realizar sonhos e, claro, para conquistar e manter a independência financeira. Afinal, com ele é possível planejar-se, criando um manto de proteção financeira.

Continue sua leitura para saber do que se trata o conceito de planejamento financeiro, seus benefícios e como ele te ajudará a manter suas finanças saudáveis. Confira!

O que é o planejamento financeiro?

Definimos um planejamento financeiro como o ato de organizar suas finanças pessoais com o objetivo de criar uma reserva para suas necessidades. Trata-se de uma ferramenta poderosa para atingir metas e realizar sonhos em curto, médio e longo prazo.

Planejamento financeiro exige mudança de certos hábitos. Não é difícil, embora exija controle e persistência. Tente e verá que os benefícios de um orçamento no verde todos os meses são extremamente compensadores.

Qual a importância de fazer um planejamento financeiro pessoal?

Você se esforça muito para ganhar seu dinheiro, por isso ele precisa trabalhar para você. Além disso, caso não tenha o comando da sua vida financeira nas suas mãos, pode acabar se endividando desnecessariamente.

Quem investe na organização das finanças pessoais, consegue assegurar uma vida mais tranquila quanto ao futuro financeiro. Mas, colocar as finanças em ordem não é somente saber o quanto você ganha e o quanto você gasta. Ter conhecimento de onde você despende seu dinheiro é fundamental para buscar o equilíbrio em sua conta corrente.

Portanto, ter equilíbrio financeiro nada mais é do que gastar menos do que se ganha. Para isso, é preciso monitorar receitas e despesas. A tecnologia é uma grande ajuda neste sentido: existem diversos aplicativos gratuitos que podem auxiliar no controle do que entra e do que sai da sua conta.

Mas se você não é tão tecnológico, pode apostar no bom e velho caderno de anotações, desde que consiga categorizar suas despesas e conferir se os números batem com o saldo da sua conta corrente.

Mapeando tudo isso, será possível avaliar se está gastando seus recursos de forma eficiente ou se pode cortar custos desnecessários.

Para que serve esse tipo de planejamento?

Especialistas em finanças pessoais indicam que suas despesas fixas mensais não devem ultrapassar 65% dos seus rendimentos, afinal, além da necessidade de poupar para o futuro, você também pode sofrer com custos não previstos, como uma batida de carro ou gastos médicos.

O planejamento financeiro pessoal é a ferramenta ideal para ajudá-lo a manter esse controle de maneira eficiente e correta.

Quais são os benefícios de elaborar um planejamento financeiro pessoal?

Fazer um planejamento financeiro pessoal ajuda a economizar, evitando despesas desnecessárias, para poupar direcionado o dinheiro aos investimentos e reservas emergenciais.

Realizar esse tipo de plano permitirá que você tenha muito mais qualidade de vida, tanto hoje quanto no futuro. Ao ter a segurança material necessária para aproveitar os prazeres da vida, além de uma garantia para imprevistos, sua mente fica mais tranquila para curtir cada momento.

Como fazer para sobrar dinheiro no final do mês?

O planejamento financeiro tem como objetivo fazer sobrar dinheiro todos os meses para que possa ser investido. Ou seja, gastar menos do que se ganha.

Um bom planejamento permite que o orçamento fique sempre no verde. Não há milagre nem mágica para fazer sobrar dinheiro. É preciso mudar certos hábitos, mas nada que não possa ser feito.

Para tanto, são três os pontos básicos a serem considerados:

1. Evite fazer novas dívidas

Em primeiro lugar, quem está endividado não tem outra opção senão trabalhar e poupar para que a dívida seja paga o quanto antes. Afinal, nestes casos, paga-se não somente o valor principal da dívida, mas também os juros sobre o montante. Por isso é tão importante quitar as que já estão em aberto e evitar, a todo custo, adquirir novas.

Para equilibrar as finanças em momentos em que o fluxo de caixa está no vermelho, abrir mão de alguns gastos extras pode ser uma boa escolha!

2. Não gaste com juros. Ganhe com juros.

Em segundo lugar, evite pagar juros — e passe a recebê-los. Se for adquirir algum bem, procure comprar sempre à vista, com desconto. E o mais importante: só faça a compra quando contar com todo o capital necessário para o pagamento. Essa regrinha é válida, também, para as aquisições feitas com cartão de crédito.

A lógica é simples: se você poupar antes de comprar, pagará menos pelo produto, pois terá maior poder de barganha. Além disso, o dinheiro poupado poderá ser investido até que a compra seja feita, fazendo com que, além do desconto obtido, vocês ganhem o lucro do investimento.

3. Esteja atento aos benefícios fiscais disponíveis

Em terceiro lugar, usufrua dos benefícios fiscais e pague menos impostos. Há formas honestas de obter benefício fiscal e pagar menos imposto. Uma delas diz respeito à aposentadoria privada.

Na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), é possível aplicar até 12% do rendimento bruto anualmente para que todo o valor seja descontado da base de cálculo do imposto de renda.

A outra forma de obter benefício fiscal diz respeito à venda de ações (falaremos mais na coluna sobre investimento em ações). Se você vender ações com lucro, mas em um valor inferior a R$ 20 mil mensais, ficará isento do pagamento de imposto de renda.

Profissionais autônomos não assalariados ainda podem usufruir dos benefícios do livro caixa, o qual permite descontar uma série de gastos relacionados ao desempenho da profissão.

De que maneira você pode garantir sua independência financeira?

Agora, vamos te dar algumas dicas importantes para garantir sua independência financeira, ficando bem longe do endividamento.

  • A dica principal é “Encontre a forma mais barata de levar uma vida rica”. Isto quer dizer que você deve fazer tudo o que gosta pagando menos, como fazer compras do mês em atacadões, viajar usando milhas ou por meio de clubes de viagens, usar cupons de desconto para jantar com a família dentre outras atividades.
  • Organize suas as finanças: tenha o mínimo de organização na suas finanças. Caso você seja inadimplente, a necessidade de disciplina é ainda maior. Registre tudo o que você ganha e todos os seus gastos.
  • Saiba quais são os seus gastos: saiba de que maneira está gastando o seu dinheiro para conseguir analisar melhor de tipo de despesas estão sendo excessivas ou desnecessárias. Sempre há o que cortar, acredite!
  • Tenha uma reserva de emergência: especialistas em finanças aconselham ter guardado, no mínimo, a quantia necessária para arcar com as despesas relativas a 3 meses, sendo que o ideal é ter guardado dinheiro suficiente para cobrir 6 meses dos gastos da família.
  • Renegocie suas dívidas: se você já está com dívidas tirando o seu sono, o melhor caminho a seguir é buscar a renegociação. Ao propor um acordo com o credor, você tem grandes chances de diminuir o valor das parcelas, além de taxas de juros mais baixas e prazos maiores.

O planejamento financeiro é a ferramenta mais eficaz para auxiliá-lo a alcançar a independência financeira, de modo a gerir seus rendimentos da maneira correta, se planejando para o futuro.

Para saber mais dicas sobre finanças pessoais, siga-nos em nossas redes sociais. Estamos no Facebook e LinkedIn!

Posts relacionados

Tags:, ,

Trackback do seu site.

Deixe um comentário

Um conjunto de ferramentas para ajudá-lo a enriquecer com saúde

Feito por médicos, para médicos